Natação

A natação, assim como o atletismo, basquete em cadeira de rodas, está presente no programa oficial de competições desde a primeira Paraolimpíada em Roma
(1960). Homens e mulheres sempre estiveram nas piscinas em busca de medalhas. O Brasil conquistou suas primeiras medalhas em 1984, na Inglaterra.
A modalidade pode ser praticada por qualquer pessoa, de qualquer idade. Muitos dos grandes atletas iniciaram na natação como terapia e isso ocorre muito
entre os atletas com deficiência visual.
Na natação competem atletas nas classes B1, B2 e B3, sendo também utilizada a terminologia S11, S12 e S13, em provas como nos 50m aos 400m no estilo livre, dos 50m aos 100m nos estilos
peito, costas e borboleta. O medley é disputado em provas de 150m e 200m. As provas são divididas na categoria masculino e feminino, seguindo as regras
do IPC Swimming, órgão responsável pela natação no Comitê Paraolímpico Internacional. Contudo, em competições nacionais ou até como apresentação, qualquer
distância pode ser feita entre estes atletas com deficiência visual, inclusive, travessias.
As adaptações são feitas nas largadas, viradas e chegadas. Os nadadores cegos recebem um aviso do “tapper”, por meio de um bastão com uma ponta de espuma,
quando estão se aproximando das bordas. Aqueles que são cego total, S11, necessitam competir com um óculos opaco.
Fonte:
CPB