Judô

O judô é a única arte marcial dos Jogos Paraolímpicos. Essa modalidade se tornou paraolímpica em Seul, 1988. A extréia das mulheres foi feita em 2004,
nos Jogos de Atenas.
No Brasil, a modalidade chegou no início da década de 80. A primeira participação internacional foi em 1987, no torneio de Paris.
No ano seguinte, em Seul, o país conseguiu 3 medalhas de bronze, iniciando uma grande trajetória de conquistas nesta modalidade.
A modalidade, através de seus ensinamentos orientais, é muito importante para o cotidiano das pessoas com deficiência visual. Outra coisa importante é o aperfeiçoamento do
equilíbrio, igualmente importante para os deslocamentos do dia-a-dia destes indivíduos.
O judô é praticado por atletas com cegueira e baixa visão que, divididos em categorias por peso, lutam segundo as mesmas regras da Federação Internacional
de Judô.
Poucos aspectos diferem do judô convencional. São eles: os atletas iniciam a luta com a pegada feita (um segurando no quimono do outro), a luta é interrompida
quando os oponentes perdem o contato e não há punições para quem sai da área de combate.
Judocas das três categorias oftalmológicas, B1 (cego), B2 (percepção de vulto) e B3 (definição de imagem) lutam entre si. O atleta B1 é identificado com
um círculo vermelho em cada ombro do quimono.
O sistema de pontuação é igual ao olímpico e sua prática pode ser feita entre atletas cegos e não-cegos.
Fonte:
CBDC