Sobre nós

Até 1985, ano de criação da ADEVIBEL, o trabalho desenvolvido pelas entidades de deficientes visuais já existentes em Belo Horizonte era marcado pelo assistencialismo. Suas ações eram focadas na concessão de benefícios, como abrigo, cestas básicas, medicamentos e bengalas. Ademais, até então, constata-se uma tímida participação política dessa parcela da população.
Neste sentido, a criação da Adevibel, por um grupo de deficientes visuais, representou algo de novo na história desse segmento em Belo Horizonte, pois ela nasce tendo a clareza de que a pessoa com deficiência visual deve ser vista como sujeito de sua própria história.
A ADEVIBEL executa projetos de qualificação e encaminhamento profissional, bem como projetos de esportes nas modalidades de atletismo, futebol de 5, goalball, judô, natação e xadrez. Além disso, a Adevibel se mostra atuante no processo de criação e ampliação de fóruns de participação política.
As ações executadas, visando à inserção no mercado de trabalho, são focadas na formação, cadastramento e encaminhamento de profissionais com deficiência visual ao mercado de trabalho.
Na área do esporte, os projetos são executados em diversos locais, mediante o apoio de instituições públicas e privadas e coordenados por profissionais habilitados em educação física. O desenvolvimento desses projetos assegura às pessoas com deficiência visual o acesso à prática do esporte, possibilitando-lhes a melhoria da autoestima, busca de autonomia, combate ao sedentarismo, entre outros benefícios.
Estes projetos contemplam dois objetivos básicos:

  • O esporte educacional/participação;
  • O esporte de alto rendimento.

A ADEVIBEL investe na formação de equipes nas modalidades de atletismo, futebol de 5, goalball, judô, natação e xadrez, que participam regularmente de eventos regionais e nacionais. Este investimento já resultou em diversas conquistas nacionais e na participação de atletas da ADEVIBEL nas delegações que representaram o Brasil em eventos internacionais.

  • Destaca-se o atleta Carlos Barto da Silva, recordista sul-americano nas provas de 800m e 1500m, medalha de prata nas provas de 800 m, 1500 m e 5000 m, no Parapanamericano, Rio, 2007 e quinto lugar na prova de 1500 m, nas paralimpíadas, Pequim, 2008.
  • Destaca-se também a judoca Deanne Silva de Almeida, medalha de prata nas paralimpíadas, Pequim, 2008, entre outros.

Lembramos que a trajetória de grandes conquistas das atletas campeãs paralímpicas, Ádria Santos e teresinha Guilhermina, começou na ADEVIBEL. Por falta de apoio local, a ADEVIBEL assistiu, em 1995, a partida de Ádria Santos para o Rio de Janeiro. Também por falta de apoio local, o mesmo aconteceu em relação à Teresinha Guilhermina que, em 2005, partiu para Cuiabá.
Quanto à participação política, a Associação dos Deficientes Visuais de Belo Horizonte se faz presente no Conselho Municipal dos Direitos das Pessoas com Deficiência de Belo Horizonte e no Conselho Estadual de Defesa dos Direitos das Pessoas com Deficiência do Estado de Minas gerais. Ainda se faz presente nos demais fóruns municipais, estaduais e nacionais de discussão de políticas públicas destinadas a este segmento.
Acreditamos que estas ações, além de representarem a possibilidade de superação das limitações impostas pela deficiência, significam a conquista da cidadania por parte desta parcela da população, cuja história é marcada pela exclusão. “Compartilhamos da ideia de que com oportunidades equivalentes, a deficiência não significará obstáculo à inclusão social”.